sábado, 27 de julho de 2013

Quem foi Cervantes?





Acredita-se que é difícil encontrar atualmente uma pessoa que já concluiu o segundo grau que não tenha lido ou conhece a história de Dom Quixote. Seja ter lido o livro propriamente dito, estórias contadas em rodas de amigos, nas revistas em quadrinhos... Sancho Pança é lembrado até em piadas retratando uma pessoa tosca e sem brilho. O porquê poucos sabe explicar, eu mesmo não sei. A verdade é que eu só fui ler Dom Quixote depois de muito adulto, já na Universidade. Confesso que também era muito preguiçoso à leitura. Por outro lado, a Europa desde que o livro fora lançado o conheceu muito bem. E, até hoje penso que até as crianças europeias quase na sua totalidade e, uma parte considerável do Globo conhece esta simples e pouco atrativa obra.

A simplicidade chega a tanto, que em determinados momentos você pensa em parar de lê-lo por achar que estão gozando – perdão pela expressão - com sua boa vontade. Desculpe-me os críticos literários e os fissionados por Dom Quixote, mas eu ainda continuo achando-o que não corresponde ao que dizem: Obra Prima. Entretanto, o Bússola Literária está publicando um retrospecto da vida de Miguel de Cervantes. Como fonte de pesquisa é muito útil, e como enlevo cultural também.

Este texto foi extraído do livro DOM QUIXOTE – O Cavaleiro da Triste Figura, de Miguelde Cervantes, adaptação em português de José Angeli, pela Editora Scipione, Série Reencontro. Eu recomendo conhecer esta história. Não sou “expert” em discussão literária, portanto, minha opinião não pode ser levada a sério e confiável. Todavia, este texto contando a vida de Miguel de Cervantes eu recomendo, e recomendo a leitura do livro também caso não o tenha lido.
Boa leitura...


Quem foi Cervantes?

No século XVI a Espanha ditava para o mundo como devia ser a cultura. De lá saíam as
novas formas de literatura, a arquitetura das igrejas, os novos caminhos da pintura. Tinha universidades famosas que atraiam toda a Europa, e uma corte cheia de brilho, frequentada por grandes artistas e intelectuais. Ao mesmo tempo, a Espanha era um país rico e poderoso. Para lá iam todo o ouro e a prata retirados das civilizações indígenas americanas recém-dominadas e a mão do rei se estendia pelo Caribe, pelas Américas e outros continentes e ilhas. Foi nessa época, marcada por requintadas formas de arte e sangrentas guerras e conquistas, que nasceu Miguel de Cervantes Saavedra, na cidade de Alcalá, em 1547.

Filho de um barbeiro endividado, não se sabe se Cervantes fez escola ou universidade, mas estudou retórica e gramática com um professor em Madri. Lá também conviveu com boêmios e aventureiros de toda espécie e conheceu bastante o teatro que se fazia. Seus primeiros escritos foram poemas sobre a vida e a morte de D. Isabel, a terceira esposa do rei Filipe II. Em 1571, a Espanha, unida com a República de Veneza e o Estado do Vaticano, derrotou na Grécia os turcos que estavam invadindo a Europa, na histórica batalha de Lepanto. Nessa batalha, Cervantes se distinguiu como soldado e ganhou a admiração do comandante das tropas, o rei D. João da Áustria.

Quando voltava para a Espanha, em 1575, o navio em que viajava foi afundado por naves turcas. Aprisionado, ele curtiria cinco anos de cativeiro na Argélia, de onde saiu somente depois da família e dos amigos pagarem alta soma de resgate.

Retornando finalmente à Espanha, já ninguém se lembrava dele. Foi então que, desgostoso
com a vida militar, começou a escrever. Seu primeiro trabalho, o poema Galatea, não teve êxito junto ao público.

Para sobreviver, trabalhou em vários cargos públicos até chegar a coletor de impostos. Mas em 1597, acusado de corrupção, foi condenado à prisão. De lá ele sairia para a glória, pois na cadeia começou a escrever a primeira parte de Dom Quixote.

Pobre e sem recursos, Cervantes já estava em liberdade quando em 1604 foi publicado Dom Quixote pela primeira vez. O sucesso foi tão grande que nesse mesmo ano foram esgotadas cinco edições do livro. Cervantes tinha então 58 anos e ainda veria, durante a sua vida, mais dezesseis edições espalhadas por toda a Europa, em várias línguas.

Estimulado com o êxito de Dom Quixote, Cervantes publicou suas Novelas Exemplares. Escreveu peças de teatro e poesias, mas achou que não tinha talento para esses gêneros e, em 1615, voltou a ficção para escrever a segunda parte de Dom Quixote.

O século XVIII, na Europa, analisou exaustivamente o Dom Quixote e admirou o seu autor. A partir do século XIX, não houve um só ano em que não saísse uma nova edição. A Sala Cervantes na Biblioteca de Madri tem hoje mais de três mil edições dessa obra, em todas as línguas do mundo. Acredita-se que Dom Quixote é o livro mais lido depois da Bíblia. Mas tudo isso não rendeu nada para Cervantes, em termos materiais: no último ano de sua vida, ele se recolheu para um mosteiro franciscano e morreu pobre. Era 1616.

A intenção de Cervantes, ao escrever o Dom Quixote, era satirizar a novela de cavalaria, que tinha sido muito popular na Europa e em sua época enfrentava a decadência. Mas acabou retratando o perfil do homem, dividido entre a fantasia e a realidade. Dom Quixote, fidalgo ingênuo e atraído pela história dos grandes cavaleiros medievais, sai pelo mundo como um deles, numa época em que isso já não existia mais. Nos seus delírios, luta contra moinhos de vento achando que são gigantes cruéis. Beija a mão de uma guardadora de porcos pensando que é sua amada Dulcinéia. Sancho Pança, seu fiel escudeiro, admira o amo sem entendê-lo. Tem os pés na terra e uma visão prática das coisas, mas é fascinado pela sua loucura. Duas figuras cheias de bondade e pureza, num mundo onde não há luar para a bondade e a pureza.

Mais do que uma sátira à novela de cavalaria, mais do que uma crítica à Espanha de seu tempo, que se dividia entre a tradição aristocrática e a modernidade. Dom Quixote é um hino em louvor da fantasia e da força poética fundamental da alma humana,


A propósito, você já acessou a fan page do meu livro infantil Juju Descobrindo Outro Mundo? Não imagina o que está perdendo. Acesse: www.fecebook.com/jujudescobrindooutromundo.

E o site da Juju Descobrindo Outro Mundo, já o acessou? Se eu fosse você iria conferir imediatamente. Acesse: www.admiraveljuju.com.br 

Imagem: Google Imagem


2 comentários:

Juraci disse...


Parabéns Dilson,
Essa postagem à página do Bussola
Literária não veio só enfeitar,
mas engrandecer enriquecer
e aprimorar nosso conhecimento
e pra ser sincera, já estava com saudades
dessa Bússola literária,que nos faz falta,
e ostenta excelentes leituras.
Obrigada por estar de volta
nos proporcionando momentos agradáveis
ao vasculhar as gavetas dessa Estante.
Bjus Juraci

Dilson Paiva disse...

Então Juraci, obrigado pela visita e pelo seu simpático comentário. Não era somente você que estava com saudade de ver o Bússola Literária em forma e mostrando ao que veio. Eu também estava. Vamos em frente, muitas publicações relevantes estão por vir. Seja sempre muito bem vinda. Abç. fraterno.