domingo, 12 de dezembro de 2010

Os revezes da tecnologia












Há menos de dois anos tive a felicidade de conhecer, mesmo de forma virtual, esta talentosa escritora e poetisa: Arlete Meggiolaro. O primeiro contato aconteceu através de email, em seguida, pelo endereço do seu fantástico site Orvalho D'Alma, o qual passei a frequentar com certa assiduidade. Nossas trocas de gentilezas foram se estreitando, até que éramos contatos constantes, seja por intermédio do endereço eletrônico, como também pelo seu bem elaborado site, rico sob todos os aspectos em conteúdo e visual.

Passado algum tempo, recebo recado da própria Arlete, dizendo-me que seu site Orvalho D'Alma, de forma lamentável se encontrava fora do ar, e que, estava preocupada diante do comprometimento do seu valioso acervo, contendo trabalhos tanto dela, quanto de outros poetas que procuravam refúgios em suas páginas. Infelizmente amputaram um dos braços do seu extraordinário espaço cultural e de entretenimento valoroso; o mesmo que afagava os leitores e os poetas anônimos; o mesmo que estendia sua mão amiga e afetuosa, proporcionando conforto e carinho aos seus seguidores.

Agora, nosso Blog Bússola Literária, está publicando para felicidade dos seus leitores uma crônica e dois contos, extraídos do seu livro "Silhuetas do Âmago" publicado pela Editora Protexto em 2005. Constituido-se numa constelação de péroras brilhantes, que sem dúvida provém desta pessoa iluminada, que carrega no coração a sensibilidade do amor, da fé, da compreensão e do pensamento eloquente, capaz de mover céu e terra com a felicidade de só mostrar o belo, através da fecundação de seus textos encantados.

Continue nos alegrando e nos ensinando com o seu talento Arlete Meggiolaro, estes são os revezes da tecnologia. Em determinado momento, nos maravilhando com sua expansão global, outra hora, nos entristecendo pela inveja do invisível nocivo.



Poesia e criador
(Crônica)







Ontem, dia quatorze de março, comemorou-se o "Dia da Poesia". De prontidão, um questionamento conduziu-me a interpelar a madre natureza sobre o princípio vital. Sem delongas, desci a barranceira e rumei em direção à zona da mata. Ali chegando, deleitei-me com o frescor da terra, perfumei-me com as fragrâncias que se desprendiam das folhagens, inebriei-me nas águas da corredeira.

Arrebatada, deixei-me cair às margens do arroio, ajustando meus ouvidos ao sussurro dos seres viventes e do farto líquido translúcido. Assim, nessa inteireza do meu eu com eles, pude indagar sobre a procedência de cada espécie.

Após alguns instantes, o coral do horto irmanado ao riacho e à cascata, com a gratidão dos bons filhos, louvaram as mães por lhes terem dado a vida. Sob o som harmonioso da queda d'água, a brisa regeu a coreografia das ramagens.

De volta ao meu remanso, energizada pela sabedoria divinal, retomei o ponto inicial desta jornada. Da estante escolhi um livro de poesias, e o coloquei ao lado de um vaso de flores. Abri a janela. Queria o raio da tarde e a aragem presentes para comemorar as "filhas-poesia".

Poema é a galáxia de palavras agrupadas no universo-alma do poeta. O poeta é cosmo da esteira brilhante, cuja luminosidade encandeia a sensibilidade interior e exterior dos viventes.

A alma do poeta é o ventre.

Assim, todos os dias eu abro meu correio ansiosa por encontrar o rebento do útero da sua alma. Todos os dias minha alma se fecha em tristeza... não vejo sua nova prole. Assim, amor... você não ejacula seus sentimentos, e, tão pouco, fecunda o óvulo desta essência - meu eu.



O diálogo
(conto)











Transcrevi o vivenciado. Quando ouvi a narrativa deste diálogo, fiquei irreverente. Não se trata de um esmoleiro, mas de um ser, que pelo visto, resolveu dar um chute no "sistema".

Introcução:
Elenice estréia no teatro - peça "Chico Mendes".
Local: Centro Cultural de São Paulo.
Flanelinha: Guardador de carro. Tipo índio, de pele vermelha, estatura média, atarracado, com mais ou menos trinta e seis anos de idade. Um tanto... atrevido. Talvez a cachaça contribua bastante para esse perfil.

A companhia de teatro havia prometido ingresso para assistir à peça.
Elenice estaciona o carro em frente ao teatro.
O Flanelinha, ao lado da janela:
- Oi, tudo bem?
- Tudo bem. Conseguiu assistir à peça?
- Deram ingresso pra mim.
- Você gostou?
- Legal. Saí chorando. Vou levar minha mãe e minha avó.
- Muito bom. Gostei de saber que sua avó virá.
- Moça, tome cuidado pra não emocionar muito, ela tem noventa e seis anos.
- Éi?... Tomaremos.
- Ei, você aí! Tá brava comigo?
- Maior papelão. Outra noite eu dei a você as únicas moedas que eu tinha e não aceitou.
- O que gosto mesmo é de quebrar os conceitos. Político é vagabundo, eu não.
- Já tem muita gente destruindo, o necessário é ter gente que construa.
- Eu não acredito no mundo como ele é. Sou livre para fazer o que quero e como quero.
- O quê você achou do ideal de Chico Mendes?
- Pra mim ele foi o herói. Encarou a morte de frente para alcançar seu objetivo.
- Morreu pela aliança dos povos da floresta. Estou indo. Tenho workshop antes da peça.
- Pô, workshop! A maior aula que você tá tendo é aqui. Veja o vível do nosso papo.
- Taí, gostei como você captou a profundeza da mensagem. Mas preciso ir.
- Workshop é pra quem não sabe de nada e precisa aprender.
- Tem razão, quero ouvi-lo com mais tempo. Depois continuaremos a conversa. Até mais tarde.



Sonhos esfiapados minha mãe águia
(conto)







Sobre a copada de uma gigantesca árvore, a realeza águia - harpia - nidificou para cria. O nome da espécie frondosa poderia ser jatobazeiro, mas a denominei de vida.

Águia, ave extraordinária, vigorosa, astuta e determinada, digna de ser magnificada. Jamais, mesmo sob mau tempo e nos redemoinhos das controvérsias, deixou de caçar em voos rasantes, quer no habitat do íntimo, quer entre as galharadas do exterior, o sustento através do discernimento. Alimentando com a fruta nativa, a perspicácia, instruiu o filhote a enfrentar os caminhos tortuosos, bem como alçar voo aos píncaros. Enquanto aninhava o filho sob suas asas, conjugou o verbo amar no presente e no futuro; sua sapiência afugentou o condicional.

Sóis, borrascas, primaveras e outonos motivaram a super mãe a equilibrar-se sobre os ramos das dificuldades. Todavia, o tempo algoz, sem pedir licença, lhe substituiu as velhas penas por outras novas. A agudeza ocular restringiu-se a pequenas distâncias.
Os ventos sopravam e moviam o ciclo natural da existência que por sua vez bafejou sobre o filho crescido. O indefeso tornou-se senhor de si. Ele, guarnecido do par de membros emplumados, ergueu-se em voo para o distante, em busca da autonomia, do complementar e das realizações tão apregoadas.

O que restou do desejo de valorização pessoal desta talentosa e perspicaz águia mãe, a governante do dossel?

Com seus sonhos esfiapados, recolheu-se na fenda do penedo existencial. Da lucidez desta incansável mãe, o presente cede lugar ao nostálgico álbum do passado. Artesanalmente, confeccionou a coroa da inutilidade e a cravou em sua própria fronte, fazendo escorrer sobre seu eu a concepção da inabilidade.

Mãe águia tão amada, quisera eu ter poderes para arrancá-la deste torvelinho da desesperança e injetar na sua artéria a certeza da imortal aptidão. Esta permanecerá arraigada no seu espírito tanto quanto seu amor.



A propósito, você já acessou a fan page do meu livro infantil Juju Descobrindo Outro Mundo? Não imagina o que está perdendo. Acesse: www.fecebook.com/jujudescobrindooutromundo.

E o site da Juju Descobrindo Outro Mundo, já o acessou? Se eu fosse você iria conferir imediatamente. Acesse: www.admiraveljuju.com.br 


Imagens: Google imagem

8 comentários:

JURACI disse...

Realmente sem sombra de dúvida os dois poemas são maravilhosos, O CONTO E O CRIADOR, somente uma musa da poesia como essa maravilhosa amiga ARLETE MAGGIOLARO, poderia observar na simplicidade da natureza e descrever com tanta profundidade um sentimento simbolizando um verdadeiro amor.
Os SONHOS ESFIAPADOS DA MÃE AGUIA, Ave magnífica e encantadora, com seu olhar agudo e sua simbologia da renovação de suas penas para ter mais algum tempo de vida de sua existência, talentosa e perspicaz.
Quisera eu assim com a águia que em seu tempo se renova, ter poderes para tornar este torvelinho da desesperanças e incertezas num sentimento puro de certeza e esperança, da imortal aptidão pelo amor verdadeiro existente em meu coração. Este sentimento que permanece arraigado no espírito e na alma tanto quanto no amor.
Fico grata por mais uma bela postagem no Blog Bússola Literária e pelo talentoso e digníssimo escritor Dílson Paiva parabéns.

Núpcias de Alma disse...

Querido amigo Peter, estou abrandando as emoções
remexidas pelo seu presente de proporção
incomensúrável para poder responder...

Você surpreendeu-me de forma a balançar minha estrutura interior, pranteei. Suas palavras em relação ao meu engatinhar para o universo literário, assim eu me considero, onde muitas estrelas brilham, injetaram ânimo neste meu momento dormente.

Nunca me cansarei de dizer que você é dono de um coração de ouro, coração este que me honra, comove por me acolher de forma aconchegante na jazida “Bússola Literária”, seu magnífico blog cultural, editando três dos textos do “Silhuetas do Âmago”.

Minha gratidão a você não tem palavras para descrevê-la. Gratidão é um sentimento indescritível.

Minha alegria e felicidade é por você ter seu próprio mundo das palavras para enriquecer culturalmente milhares de pessoas.

Um imenso beijo em seu lindo coração.
Arlete
sua grande admiradora.
*

Dilson Paiva disse...

Obrigado mais uma vez pela sua preciosa visita Juraci. Sua presença mto nos honra.
A vc nobre e talentosa Arlete, estou feliz que tenha gostado. Procurei fazer jus aos seus brilhantes textos, procurando imagens que contribuissem para ilustrar suas ideias refrescantes e saborosas. Estou feliz que tenha lhe causado algum impacto.
Continue escrevendo e nos ensinando a escrever, ok?

Feliz Natal e um abençoado Ano Novo pra ti e a Juraci.

Anônimo disse...

Homenagem mais que merecida

minha particular amiga Arlete

sabes que sou tua fã

você sempre suavizando

nosso dia a dia com poemas

cheios de encantos

como smp te digo ,

bjos orvalhados rsrsr

Sandrinha.

Núpcias de Alma disse...

Juracy,
Estou imensamente grata aos olhos do seu coração por
enxergar as minhas linhas bordadas pelo fio da palavra,
com carinho e esmero.

Deparar com um trecho do “Sonhos Esfiapado...”, o qual
dediquei a minha Mãe, comoveu-me profundamente, aguçou
sensibilidade e a saudades.

Amiga, receba uma rosa em forma de beijo aromatizado pelo
agradecimento.
Arlete
*

Núpcias de Alma disse...

Sandrinha,
você é uma amiga adocicada.
Eu lhe admiro muitíssimo.

Grata pelas carinhosas palavras.

Um beijo feliz!

Wendy disse...

Dizer mais o que ? Não tenho palavras para expressar o quão amável é estar diante de belas palavras que transforma nosso coração e entendimento, levando o nosso sentimento a lugares inimagináveis onde jamais pensamos estar se primeiro aqui não estivéssemos eu sempre costumo dizer quem vem aqui nunca perde nada só ganha. Os ventos sopram o ciclo Natural da nossa existência, guiados por Deus somos levados a cumprir nosso destino, assim como a natureza existente em toda a terra. Poema é a galáxia de palavras agrupadas no universo-alma do poeta. E de seus leitores que se encontram entre uma e outra estrofe composta. O poeta é cosmo da esteira brilhante, cuja luminosidade encandeia a sensibilidade interior e exterior dos viventes, por mais incrível que pareça assim também é o nosso destino.
Encantadora amiga Arlete Meggiolaro parabéns pelo seu magnífico talento e ao nosso digníssimo e talentoso amigo Dilson Paiva, meus votos de alegria e felicidade pelo encanto que está o nosso admirável Blog Bussola Literária, bjs de carinho

Núpcias de Alma disse...

Wendy,

Suas palavras fazem o coração vibrarem,
sou grata por esta recepção calorosa.

Você escreveu uma verdade:
“...aqui nada se perde só se ganha...”

A “Bússola Literária” não é um simples blog cultural,
Dilson fez com tanto amor, colocou artigos fortes
e relevantes, construtivos que se tornou um manancial
de pura e cristalina riqueza.

Um grande beijo a você.

Arlete