domingo, 28 de fevereiro de 2016

Morre aos 84 anos de câncer, o Google humano Umberto Eco



O canal de notícias G1 do Grupo Roberto Marinho publicou em sua matéria no dia seguinte à morte do escritor italiano, Umberto Eco nasceu na cidade de Alexandria, no dia 5 de janeiro de 1932. Quando pequeno, durante a Segunda Guerra Mundial, se mudou com sua mãe para um pequeno vilarejo na região montanhosa de Piemonte. Seu pai, um contador que vinha de uma família de 13 filhos, foi convocado para lutar em três guerras. Filósofo, semiólogo, romancista, autor de O Nome da Rosa, O Pêndulo de Foucault e O Cemitério de Praga, Umberto Eco morreu aos 84 anos em sua casa, dia 19 de fevereiro de 2016, de câncer.

O pai de Umberto Eco queria que ele estudasse direito, mas decidiu-se entrar na Universidade de Turin, para estudar filosofia medieval e literatura, sendo mais tarde professor na própria universidade. Também trabalhou como editor no canal de televisão RAI, onde conheceu um grupo de escritores, pintores e músicos que o influenciou na sua carreira de escritor.

Em setembro de 1962, Umberto se casou com Renate Ramge, professora de arte alemã com quem teve dois filhos. Naquela época, dividia o seu tempo entre um apartamento em Milão, onde tinha uma biblioteca com 30 mil volumes e uma casa de veraneio perto de Rimini, na qual tinha outra biblioteca com mais 20 mil exemplares.

Em 1992 e 1993, foi professor na Universidade Harvard, nos Estados Unidos. Também lecionou nas universidades de Oxford, Columbia e Indiana; Universidade de San Marino e na Universidade de Bologna, onde era presidente da Faculdade de Ciências Humanas.

Conhecido pelo seu romance O Nome da Rosa, publicado em 1980, Umberto Eco combina na sua obra, semiótica, ficção, análise bíblica, estudos medievais e teoria literária. No qual conta a história do frei Guilherme de Baskerville, enviado para investigar o caso de um mosteiro franciscano italiano, cujos monges são suspeitos de cometer heresias. A história que se passa em 1927, envolve mortes misteriosas, crueldade e sedução erótica. Em 1986, Jean-Jacques Annaud, dirige o filme com o mesmo título baseado no livro, estrelado por Sean Connery.

Entre suas obras mais conhecidas, além dos romances que o consagraram e O Número Zero, publicado no ano passado, estão os ensaios: A Estrutura Ausente e História da Beleza.

O jornalista e crítico literário Ademir Luiz, em sua coluna Livros, hospedada na revista Bula, publicou no final do ano passado, sob o título de "Umberto, um fraco eco de si mesmo", excelente avaliação do trabalho literário de Umberto Eco, cujo comentário Bússola Literária faz questão de transcrevê-lo na integra, dado o valor do seu conteúdo.


Umberto, um fraco eco de si mesmo


Umberto Eco é um gênio esgotado, preguiçoso ou um fanfarrão? Ou tudo ao mesmo tempo agora? Sim, essa é uma abertura provocativa e, deliberadamente bombástica, para tentar chamar sua atenção. Porém, para, além disto, mais uma vez sigo o sábio conselho com o qual o venerável mestre Antonio Candido abriu sua Literatura e Sociedade. “Nada mais importante para chamar atenção sobre uma verdade do que exagerá-la.”

E a verdade é que sempre que Umberto Eco lança um novo romance ele se torna figura onipresente nos cadernos culturais. São entrevistas e mais entrevistas, resenhas e mais resenhas. Normalmente, entrevistas repetitivas e resenhas mornas, elogiando a nova obra, sem aprofundar muito. Logo depois, salvo em trabalhos acadêmicos sobre o autor, pouco se fala sobre o tal livro. No inconsciente coletivo da intelectualidade, Umberto Eco ainda é o autor de O Nome da Rosa, que começa a ganhar merecido status de clássico, e personagem símbolo da cultura ocidental, de algum modo substituindo Jorge Luis Borges, não por acaso um de seus ídolos.

O que é muito justo. Parece-me que, possivelmente, ele é o mais culto dos homens vivos. Quem poderia lhe ser superior nessa inútil gincana de memória de elefante? Habermas? Harold Bloom? Bento XIV? Nenhum deles, uma vez que, essas ilustres figuras são gente séria, não se ocupando, pelo menos não publicamente, de assuntos que consideram menores, tais como cultura pop e popular. Umberto Eco não possui tais preconceitos, ou escrúpulos. Dá xeque-mate em seus concorrentes no quesito versatilidade. Em inúmeras ocasiões demonstrou seus vastos conhecimentos sobre cinema trash, desenhos animados, literatura pulp, pornografia, fofocas sobre subcelebridades em geral, histórias em quadrinho, a saga do Super-Homem, o urso Zé Colméia, internet e assuntos afins.

Tudo convivendo lado a lado com sua sólida formação em semiótica, filosofia, teologia, história, alta literatura, artes, mitologia, conhecimentos consideráveis em ciências duras e, como bom italiano, música erudita. E muito mais. Eco é uma espécie de Google humano. Essa facilidade em unir cultura erudita e cultura de massa, de modo bem humorado, transformou-o numa espécie de consciência geral do nosso tempo, um tipo de Grilo Falante Pós-Moderno. O problema é que, receio, às vezes, ele acredite mesmo nisso.

Em termos literários, Umberto Eco não pode ser reduzido ao papel de autor de um livro só. Além de O Nome da Rosa, escreveu o ainda melhor, O Pêndulo de Foucault. Um romance, infelizmente, subvalorizado, mas com tema, personagens e enredo brilhantemente desenvolvidos. Mas foi só.

Claro que esse “só” é maneira de “dizer”. Produzir dois romances geniais, além de inúmeros livros teóricos fundamentais para diversas áreas das Ciências Humanas, constituem feitos colossais. Certamente, vão lhe garantir um lugar na História. Mas tenho sérias dúvidas se é o suficiente para colocá-lo no panteão, entre os Grandes, os realmente imortais, como o citado Borges, Mann, Kafka e outros Vips. Se tivesse que apostar meu suado dinheiro, hoje, diria que não. Eco não entra para o clube. O que também é justo, considerando que, assim como Roberto Carlos, Eco passou os últimos 20 anos vulgarizando sua obra de ficção. É um esforço gigantesco que resultou em milhares de páginas que variam entre o mediano e o descartável. Li cada uma delas. Mais uma vez.


Umberto Eco


Quando lançou O Nome da Rosa, em 1981, Eco temia ter se esgotado como ficcionista. Mas esse foi um projeto técnico, no sentido de que o escreveu usando seus vastos conhecimentos de crítico literário e medievalista, gigantesca capacidade de trabalho e intuição de leitor voraz. O Nome da Rosa é, acima de tudo, a montagem de um complexo mosaico literário. Eco gastou tinta, dedos e cérebro para escrevê-lo, não sangue, suor e lágrimas. Percebeu que poderia ser mais pessoal em sua literatura e o resultado foi O Pêndulo de Foucault, colocando nele tudo que lhe interessava, emprestando aos personagens, inclusive suas memórias de infância, durante a Segunda Grande Guerra. Demorou sete anos na tarefa. Depois desse livro, o sentimento de esgotamento retornou. Desta vez estava certo.

Em 1994 publicou o interessante, mas levemente decepcionante, A Ilha do Dia Anterior. Tudo bem, não dá para produzir obras-primas como se produz pizzas, por mais italiano que seja. Em 2000 veio o fraco romance histórico Baudolino, um livro que deixou a sensação de ter sido escrito às pressas, sem grandes pretensões, feito para ser apenas uma aventura imaginativa. Interpretei-o com o respiro do artista, a folga antes do canto do cisne. Quatro anos se passaram e saiu o ambicioso A Misteriosa Chama da Rainha Loana, obra lindamente ilustrada que tinha tudo para ser um novo triunfo, mas que resultou em decepção: o tema, a questão da memória individual em relação à memória coletiva, foi desperdiçado; os personagens pouco desenvolvidos, o enredo ficou cheio de pontas soltas e tempos mortos, apresentou um final preguiçoso ao estilo Saramago e Ítalo Calvino, do tipo “cansei de escrever, vou terminar o livro”.

Comecei a ficar irritado. Quando em 2010, foi lançado O Cemitério de Praga, li-o cheio de desconfiança, embora, como sempre, esperançoso. Infelizmente, mais uma pizza queimada: o enredo é inverossímil e mal desenvolvido, os personagens antipáticos e sem carisma, a narrativa, mais uma vez, preguiçosa e repleta de clichês. Umberto Eco tornou-se um imitador de si mesmo. Pior, imitava Dan Brown, autor de O Código Da Vinci, que por sua vez imitava e vulgarizava o Eco dos anos de ouro.

Agora, em 2015, com o lançamento de Número Zero, Umberto Eco foi mais longe, ele não apenas imita e vulgariza o autor que um dia foi ao escrever O Pêndulo de Foucault, como se autoplagia toscamente. O enredo do novo romance, como foi amplamente divulgado nos cadernos culturais, físicos e online, se passa em 1992, ano da Operação Mãos Limpas, que, literalmente, limpou a Itália de diversos esquemas criminosos que assolavam o país, mas que, como efeito colateral, gerou um vácuo de autoridade que ajudou a colocar no poder o milionário da mídia Silvio Berlusconi, uma mistura patusca de Roberto Marinho, Assis Châteaubriant e Silvio Santos à italiana. O mau jornalismo e suas consequências parece ser o tema. Poderia ser a má literatura.

Os problemas começam na primeira página, onde é apresentado um mistério que já não é dos mais empolgantes e que deveria iniciar o suspense da trama. Sua resolução, sugerida quase ao final, é feita da maneira mais despojada e desinteressante possível. Entre uma coisa e outra, o que encontramos é uma comédia de erros. O protagonista é o cinquentão enxuto Colonna, um perdedor excessivamente consciente (fala sobre isso o tempo todo), que trabalha como ghost-writer (nêgre, como era chamado na Itália, antes da era do politicamente correto) e tradutor de alemão. Esse é o tema do primeiro autoplágio que consegui identificar, presente na página 15 da edição brasileira, um parágrafo que lembra muito um trecho de O Pêndulo de Foucault: “ou você traduz alemão ou se forma, as duas coisas juntas não dá pra fazer”. Na página 64 é pio, encontramos um período que copia quase palavra por palavra, em contexto diferente, um dos diálogos mais famosos de O Nome da Rosa, sobre herborismo. Na página 92 o autor recicla um artigo da década de 1990 sobre a então recente moda dos telefones celulares. E a coisa vai, em detalhes menores ou maiores.

Mas esses autoplágios são o menor dos problemas. Com um pouco de boa fé e complacência podemos considerá-los honestas autocitações, merecidas auto-homenagens, inocentes masturbação intelectual, easter eggs ou mesmo que o idoso autor simplesmente esqueceu-se que usou tais ideias em outros lugares. Seriam apenas ecos de Eco em Eco. Justo.

O problema está na frouxidão no desenvolvimento do tema e do enredo. O problema está na galeria de personagens clonados, muito melhores em suas encarnações anteriores. O problema está nos diálogos engraçadinhos, requentados de outros livros. O problema está na abertura de assuntos, que ameaçam ser importantes, mas que são solenemente esquecidos. O problema está nas teorias conspiratórias sem novidades. O problema está nos coadjuvantes sem carisma e irrelevantes. O problema está nas discussões exageradamente didáticas, que deveriam ser elucidativas e/ou eruditas, mas que parecem resultados de pesquisas rápidas feitas no Google. O problema está na falta de um clímax, ou, por outra, um clímax anticlimático. O problema está no desfecho que deveria ser cínico, mas que se revela ingênuo, contando com um moral da história.

Essas são minhas impressões iniciais, diz o crítico literário Ademir Luiz, da revista Bula, sobre a obra de Umberto Eco, Número Zero. Se tivesse que lhe atribuir nota, não seria zero. Não faria isso nem para gerar um efeito esperto no texto, não me permito descer tão baixo para chamar sua atenção. Fica no máximo com cinco de dez, sendo generoso. Claro que estou escrevendo no calor do momento. Pode ser que o livro seja reavaliado. Sempre é possível. Mas é o que temos para hoje.

Antes que me esqueça, há um ponto positivo (ou não). Depois de uma sucessão de calhamaços, sempre entre quatrocentas e seiscentas páginas, o novo livro só tem duzentas páginas, em letras grandes e espaçadas. Não se perde muito tempo. Afinal, talvez a verdade seja que eu sim, estou preguiçoso ou esgotado. Ou sou um leitor fanfarrão.

Para fechar, não podemos descartar a possibilidade de que Eco não escreva os romances que assina desde a década de 1990. É possível que o fato do personagem Colonna ser um ghost-writer seja uma pista, uma piscadela irônica para os desocupados que ficam discutindo as causas do fim de seu talento narrativo, ao invés de lerem literatura clássica de verdade. Talvez Eco, humildemente, não se considere digno de entrar para o panteão e se sabote. Talvez esteja realizando um longa performance artística, para denunciar o caráter superficial da indústria cultural que transformou um professor universitário em celebridade internacional. Talvez só fiquemos sabendo desse projeto numa carta testamento.

Pode ser ainda que Eco só esteja cumprindo contato, entregando um romance de vez em quando para editora, para garantir alguns milhões de dólares a mais nos baús guardados nos porões do castelo medieval que comprou.

Se qualquer uma dessas opções for verdadeira, a resposta é que Eco é, definitivamente, um gênio fanfarrão.




Imagens: Internet.

9 comentários:

Marlene Monteiro disse...

Boa noite, sempre que posso acompanho as informações da Bussola Literária, e sobre a Biografia a cima , não li o livro, mas assisti ao filme O nome da rosa,lindo, espero que a Bussola continue nos presnteando com informações como esta, parabéns Dilson Paiva.

Dilson Paiva disse...

Obrigado digo eu, estimada Marlene Monteiro, pela sua simpática visita e o gentil comentário. Esperamos contar com sua presença mais vezes, nos prestigiando e acompanhando nossas publicações. Afetuoso abraço.

Ilza Royer disse...

o mundo perde um grande filósofo e escritor. Umberto Eco era famoso tanto por sua criação literária como por suas lúcidas e polêmicas declarações. Reuni algumas frases que ilustram o que ele pensava sobre temas diversos: 1- "Todos os poetas escrevem poesia ruim. Os poetas ruins as publicam, os poetas bons as queimam." 2- "O verdadeiro herói é herói por engano. Ele sonha em ser um covarde honesto como todo mundo." 3- "O amor é mais sábio que a sabedoria." Citação do livro - O Nome da Rosa. 4- "Os livros não são feitos para que alguém acredite neles, mas para serem submetidos à investigação. Quando consideramos um livro, não devemos perguntar o que diz, mas o que significa." - O Nome da Rosa. Parabéns pela relevante informação aos leitores do Bússola Literária sobre este grande escritor e filósofo italiano Umberto Eco.

Dilson Paiva disse...

Valeu, estimada Ilza Royer, pela significativa visita ao Bússola Literária e o seu expressivo comentário. Sempre que te sobrar um tempinho para ler algo interessante, não deixe de nos visitar. Sua visita muito nos honrará. Afetuoso abraço.

Ju Loren disse...

Não poderia deixar de vir aqui deixar meus sentimentos ao Bussola Literária,
que carinhosamente está sempre nos prestigiando, engrandecendo e homenageando tantas pessoas , ilustres e também pessoas simples.
Umberto Eco foi de fato esse grande escritor e filosofo, famoso por sua criação literária assim com tantos outros, mas que agora se despede deste mundo deixando saudades.
Parabéns querido amigo Dilson Paiva, por tão significativa informação.
Beijos
Att. Ju Loren

Dilson Paiva disse...


Obrigado mais uma vez estimada Ju Loren, pela sua amável visita e o seu pertinente comentário. Sua visita nos alegra e os seus atenciosos comentários nos enche de contentamento. Afetuoso abraço.

Élio Graciano disse...

A arte, Dilson, tem inquestionavelmente um poder sobrenatural de nos levar a territórios inimagináveis. Acredito que grande parte do fazer poético é fruto de muito suor, muita e dor, muito corte e muita tentativa. Sofremos quando as palavras não traduzem integralmente o que vivenciamos em circunstâncias privilegiadas que só o artista alcança ou descreve. O fato é que dizemos em plena euforia, ou profundo desabafo. E os substantivos, os verbos, os adjetivos, enfim toda natureza da língua vai perfazendo a expressão da unidade. Somos todos partes de um universo complexo que, pela angústia ou pela liberdade, caminha para um mesmo destino: entender nossa razão de ser. Os textos publicados apontam mais para determinados objetos, ou circunstâncias, quer sejam históricas - o caso do Diálogo Continental, quer sejam para homenagear, num misto de lírico e épico, aqueles que fizeram de sua casa um espaço telúrico de nos aproximar. É o caso de Salvo Pantanal. Em outros, o caráter lírico surge como irônico, por vezes sarcástico, mas apaixonado de servir ao amor sem compromisso de eternidade. Agradeço as belas e instigantes apreciações de Ju Loren, a maturidade crítica de Ilza Royer e sua compreensão surrealística do envolvimento sustentável de Manoel de Barros com sua relva pantaneira. Por último, a percepção do Anônimo ao separar a característica objetiva, racional do professor da ação humana, almática de dizer e/ou expressar a realidade com requinte de poesia. Agradeço a gentileza de todos que apreciaram ou compartilharam dessa possibilidade de olhar, não apenas de ver, horizontes naturalmente escondidos nos mistérios de cada um de nós. Dilson, obrigado! Palavras não entendem sua paixão pela arte, nem sua afável e admirável amizade de nos resgatar, de parar sua intrépida função de jornalística para estender a mão para aqueles que pensam dizer algo brincando com as palavras, mal rompe o amanhã.

Paulo frança disse...

Olá, Dilson! PArabéns pelo blog! Bem extenso. Gostaria que vc, depois que lesse meu livro, também o comentasse no seu Bússola Literária. Seria uma honra para mim. Abraços!

Dilson Paiva disse...

Olá admirável escritor Paulo França, obrigado pela visita e o gentil comentário. Pode estar certo, assim que eu ler o seu livro, sobre o qual não tenho dúvida muito envolvente, o trarei para fazer parte do acervo do Bússola Literária... Esperamos contar com o seu retorno mais vezes... Forte abraço.