sábado, 1 de novembro de 2014

O Construtor de Amigos, tributo às Minas Gerais e sua gente


Na obra literária “O Construtor de Amigos, Príncipe e Poeta que Reina Além das Montanhas”, a autora Roswyta Ribeiro, exalta a necessidade da boa convivência recíproca; enaltece a elegância do comportamento bem estruturado, fundamentado no simples ato da compreensão e do amor. Atitudes determinantes como instrumento de promover a paz e a igualdade entre as pessoas, coerentes com a intransferível importância da cordialidade.

Sua narrativa não ficcional, construída na primeira pessoa, cuidadosamente alinhavada com poéticas analogias e metáforas. Transmite a necessidade da superação dos problemas existenciais que envolvem as incompreensões e as incertezas, por meio de uma consciência edificada no amor sob todos os aspectos. Permitindo que as pessoas descubram em si mesmas, o seu notável patrimônio repleto de maravilhosas oportunidades de crescimento e conquistas espetaculares.

Experiências concernentes no cerne da sua vocação literária e a realidade vivenciada. Em que, a poesia retratada pelos construtores de amigos, tornou-se possível germinar no seu coração o amor por sua Minas Gerais e tudo que ali nasce, cresce, floresce e dão sabor inigualável aos frutos que a terra fértil gentilmente presenteia em abundância. A ter orgulho de ser filha de um Brasil colorido, e sua relação interracial, resultado da forte migração de outras nacionalidades ocorridas ao longo dos anos e que, aqui, fincaram raízes.

Será, quem sabe, este o motivo de afirmarem que Deus é brasileiro? E o Cristo Redentor esteja com os seus braços abertos para abraçar, não somente o Rio de Janeiro, mas toda a pátria amada e quem nela vivem! São por esses e outros motivos, que Roswyta em momento algum, se omite de suas tradições. Ressalta com dedicada atenção, as singularidades da sua terra natal. Os costumes do seu povo, suas crenças cristalizadas em dias melhores e sua fé indomável, que fortifica os laços entre si. Principalmente no que tange a máxima da gentileza inerente do simples cidadão comum até o mais cívico personagem histórico.

Resgata a existência do cancioneiro romântico, às vezes fugaz, com suas melodias ardorosas que sintetizam a paixão de sua gente. Desde as festas realizadas numa sintonia perfeita com o homem do campo e o seu braço forte de camaradagem, até a reticência que se prolonga enraizada, como um cipreste florido que apazígua a estonteante e assombrosa convivência urbana, através das serenatas efervescentes e inebriantes.

Sem qualquer formalidade, a escritora estabelece uma vigorosa harmonia ilustrativa, já registrada, com muita propriedade, por outro estupendo e memorável escritor, José Mauro de Vasconcelos, que tão bem soube narrar às origens do cordão umbilical familiar do povo mineiro. Transmitindo nos seus livros a leveza de suas ideias, concentradas na primorosa riqueza de conteúdo, sabiamente implícita na simplicidade das suas personagens, que na minha adolescência alegrou-me com suas envolventes situações de convívio familiar, onde exemplos modestos representavam fascinantes significados aos costumes da minha terra, Goiás.

José Mauro de Vasconcelos, como bom mineiro que era, retrata na sua obra Meu Pé de Laranja Lima, tal qual uma sonata de amor, a maneira simples que a família mineira conduz os seus filhos na retidão dos bons costumes e respeito à ordem familiar. Levando-os a honrar os princípios de união, mesmo nas situações mais adversas e difíceis do dia a dia. Orientando-os a enfrentar as dificuldades sem perder a dignidade.

As crianças menos favorecidas desde cedo, conseguem driblar a falta de recursos financeiros, substituindo os brinquedos de alta tecnologia, por outros simples concebidos pela imaginação criativa. Detentores de fecunda originalidade inovadora utilizam objetos descartáveis, tornando-os inigualáveis. Graças ao efeito mágico, próprio das brincadeiras singelas. As meninas criam suas bonecas de pano e os meninos seus carrinhos com rodas de carretéis, mantendo o mesmo poder de encanto e deslumbramento. Inspirados na magia da simplificação conseguem tornar viva a pureza da alma. 

Existe inclusive, uma expressão popular, que afirma de forma divertida, que o mineiro nas suas andanças tornou-se um goiano cansado. Brincadeira à parte, pois, cada um possui suas singularidades irretocáveis. Contudo, o mineiro por onde passa leva consigo o lirismo poético e apaixonado da sua cultura, refletido no seu vocabulário cognitivo, característica simples e despretensiosa do seu despertar; dos seus costumes seculares a culinária que nos faz salivar pelo aroma e, as manifestações coletivas dos laços que se fortalecem num cordial olhar e no sorriso amistoso.

A escritora Roswyta Ribeiro também destaca na sua obra, a legitimidade e o fervor às classes produtivas do nosso país. Em especial aos professores, que são os pilares das nossas respostas futuras. São eles que, por amor e responsabilidade, abraçam com determinação sua missão de tornar as salas de aulas, a extensão do leito familiar, onde a educação é a razão dos princípios ainda aprendidos no berço doméstico. Fator indispensável à boa conduta da formação como indivíduo racional e íntegro quanto ser humano, alicerçados nos mais autênticos predicados e adjetivos da moral.

Em determinado momento do seu livro, Roswyta Ribeiro orgulha-se ter presenciado o simbolismo lúdico que a música representou para o seu cenário de vivências. “Convém ressaltar que eu também tive o privilégio de viver uma época de profundas e rápidas transformações em todas as áreas: de Elvis Presley e Sinatra a Michael Jackson, de Beatles e Rolling Stones a Madonna, de Chico e Caetano a Cazuza e Ana Carolina e às músicas sertanejas de boa qualidade com poesia. Por fim, já testemunhei a conquista de alguns títulos mundiais do futebol brasileiro e alguns vexames históricos. Gosto de ouvir Strauss, Mozart, Vivaldi, André Rieu, KG. Mozart preconizou que a música jamais deve ser esquecida, jamais deve deixar de ser música.” – Avalia.

Laureada com merecido presente, a autora foi conhecer de perto em Portugal, a vila portuguesa Constância, pertencente ao Distrito de Santarém, situada bem na confluência dos rios Tejo e o Zêzare, local onde o poeta Luis Vaz de Camões, autor dos “Lusíadas”, viveu por alguns anos e, todo dia 10 de junho se realiza as Pomonas Camonianas, festa que o homenageia. E, as festas de Nossa Senhora da Boa Viagem, muito parecida com a do Bom Jesus dos Navegantes, que acontece em 1º de janeiro, na Bahia, pela procissão de barcos ornamentados que, Dorival Caymmi tão bem retratou na sua música.

“Cem barquinhos brancos/ nas ondas do mar/ uma galeota/ a Jesus levar/ Meu Senhor dos Navegantes/ venha me valer/ Meu Senhor dos Navegantes/ venha me valer// A Conceição da Praia/ está embandeirada/ de tudo quanto é canto/ muita gente vem/ de toda parte vem/ o baticum do samba/ até a capoeira/ também o candomblé/ o sol está queimando/ mas ninguém da fé// Meu Senhor dos Navegantes/ venha me valer/ Meu Senhor dos Navegantes/ venha me valer//.”

O inusitado também se faz presente na sua narrativa, quando a autora faz uma referência no mínimo curiosa, ao comparar nossa atual condição de vida à tragédia teatral de Romeu e Julieta. “Mas é assim que, neste Brasil da era moderna, conseguimos trazer a nossa releitura da famosa estória shakespeariana sobre o amor impossível de Romeu Montechio e Julieta Capuleto. Pois que existem semelhanças entre a beligerância das famílias da história e o cenário de cólera que podemos encontrar nos campos e cidades brasileiras... Como continua estranho o contraste entre a guerra constantemente travada pelos povos que, não obstante, buscam a paz! – Diz Roswyta.

O Construtor de Amigos é mais que um livro de memórias sobre o passado glamoroso de Minas Gerais. É, sobretudo, um resgate da história e dos causos mineiros. Descreve sobre os importantes representantes da aristocracia local; sobre os incomuns e fantásticos artistas plásticos, escultores, poetas, romancistas e contistas; sobre as cidades e os monumentos históricos, hoje patrimônio da humanidade; igrejas e casarões fontes de inspirações para memoráveis histórias cantadas e contadas em verso e prosa; sobre os intrépidos desbravadores e suas potenciais riquezas minerais. Relata também, desde a irreverente Dona Beja aos idealistas Inconfidentes.

Admirável escritora Roswyta Ribeiro, com a finalidade de enaltecer ainda mais, o valor da sua criação literária, que já é uma máxima. Um tributo de amor, à sua terra natal. O Bússola Literária achou justo, homenagear sua obra, “O Construtor de Amigos, Príncipe e Poeta que Reina Além das Montanhas” que exalta de forma preciosa a exuberância das belezas naturais do seu Estado e o valor incontestável do seu povo, com o hino da sua amada terra.

Este é o hino de Minas Gerais. Baseado na valsa italiana “Viene a sul maré”. Sua letra foi adaptada por José Duduca de Moraes. Sua primeira gravação foi em 1942. No entanto, vários corais e cantores o interpretaram, dentre estes Milton Nascimento, destilou emoções ao cantá-lo.





Hino de Minas Gerais

Oh! Minas Gerais!

Tuas terras que são altaneira
O teu céu é do mais puro anil.
És bonita, oh terra mineira,
Esperança do nosso Brasil.

Tua lua é a mais prateada
Que ilumina o nosso torrão!
És formosa, oh terra encantada!
És orgulho da nossa nação!

Oh! Minas Gerais!
Oh! Minas Gerais!
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais!

Teus regatos te enfeitam de ouro.
Os teus rios carreiam diamantes.
Que faíscam estrelas de aurora
Entre matas e penhas gigantes.

Tuas montanhas são preitos de ferro
Que erguem da pátria alcantil!
Nos teus ares suspiram serestas.
És altar deste imenso Brasil!

Oh! Minas Gerais!
Oh! Minas Gerais!
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais!

Lindos campos batidos de sol
Ondulando num verde sem fim
E as montanhas que, à luz do arrebol,
Têm o perfume de rosa e jasmim.

Vida calma nas vilas pequenas,
Rodeadas de campos em flor,
Doce terra de lindas morenas,
Paraíso de sonho e de amor.

Oh! Minas Gerais!
Oh! Minas Gerais!
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais!

Lavradores de pele tostada,
Boiadeiros vestidos de couro,
Operários da indústria pesada,
Garimpeiros de pedra e couro.

Mil poetas de doce memória
E valentes heróis mortais,
Todos eles Figuram na história
Do Brasil e de Minas Gerais.

Oh! Minas Gerais!
Oh! Minas Gerais!
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais!




A propósito, você já acessou a fan page do meu livro infantil Juju Descobrindo Outro Mundo? Não imagina o que está perdendo. Acesse: www.fecebook.com/jujudescobrindooutromundo.


E o site da Juju Descobrindo Outro Mundo, já o acessou? Se eu fosse você iria conferir imediatamente. Acesse: www.admiraveljuju.com.br 



Imagens: Google e Facebook


4 comentários:

roswyta ribeiro disse...

Dilson Paiva amigo querido, bonito dia!
Costumo dizer que a beleza mede-se pela intensidade de espírito que penetra a matéria, quanto mais a receptividade for profunda, mas a generosidade resplandecerá. E é verdade, você oferece-me uma intensa emoção. Sou uma "manteiga derretida" modelada em mulher. Que frescor seu carinho traz a minha alma.... Grata sempre! - Abraços em laços.

Dilson Paiva disse...

Olá talentosa escritora, ardorosa defensora do renascimento do amor e da compreensão mútua. Que bom que gostou do meu modesto comentário. Pode acreditar, sua literatura, foi a responsável por esta conjunção de ideias. Obrigado pela visita e por fazer parte dos anais do Bússola Literária. Fraternal abraço.

Juraci disse...

Um encanto de postagem, sintetizam toda paixão de sua gente, o romantismo desse cancioneiro, deveria existir verdadeiramente nos corações humanos.
Tudo perfeitamente dentro das reticências enraizadas que rege, a dignidade do Bússola Literária.
Sem contar o envolvente encanto e a magia do Hino de Minas Gerais
deste mais puro céu azul anil e meigo que cobre toda a terra do nosso imenso Brasil.

Parabéns Dilson, me encantei com a beleza das imagens e a
delicia de ter navegado pelos mares literário do Bússola Literária
Bjus querido amigo
Juloren

Dilson Paiva disse...

Valeu Juraci, mas uma vez você nos honra com sua simpática visita e o gentil comentário. De fato o livro da escritora Roswita Ribeiro, O Construtor de Amigos, é um resgate muito bem elaborado e pensado. Um trabalho criterioso registrado pela autora, no qual ela narra intimidades pessoais vividas na sua terra natal, Minas Gerais, além de exaltar de forma carinhosa os valores do povo mineiro. Estimada Juraci, esperamos contar novamente com sua visita na próxima postagem. Será incrível, pode acreditar. Fraternal abraço.